Quinta, 16 Julho 2020

Extratos de Sabedoria Milenar Destaque

Escrito por Sabedoria Milenar
  • tamanho da fonte diminuir o tamanho da fonte aumentar o tamanho da fonte
  • Imprimir
Avalie este item
(10 votos)
(Tempo Estimado de Leitura: 5 - 10 minutos)

Abaixo alguns extratos de textos, de autores diversos, que falam um pouco de como a sabedoria milenar se mescla aos ensinamentos esotéricos e exotéricos das diversas religiões e linhas de pensamento filosófico do Ocidente e do Oriente.

"Todas as religiões são pedras preciosas engastadas no fio de ouro da divindade."


Gurdjieff, citado por Ouspensky


"... Mas os sistemas pseudo-esotéricos têm seu papel no trabalho e nas atividades dos círculos esotéricos. De fato, servem como intermediários entre a humanidade, completamente submersa na vida material, e as escolas que se interessam na educação de um certo número de pessoas, assim como no interesse de sua própria existência, e não no trabalho de natureza cósmica que poderiam realizar. A própria ideia de esoterismo, a ideia de iniciação, atinge as pessoas, na maioria dos casos, por escolas e sistemas pseudo-esotéricos; se essas escolas pseudo-esotéricas não existissem, a maioria dos homens nunca teria ouvido falar de algo maior do que suas vidas, porque a verdade em sua forma pura é inacessível. Devido às várias características do ser humano, e particularmente do ser contemporâneo, a verdade não pode chegar aos homens, senão na forma de uma mentira. É somente dessa forma que eles são capazes de digerir e assimilar isso. A verdade não alterada seria nada mais que comida indigesta.

Por outro lado, um grão de verdade às vezes subsiste sob uma forma inalterada nos movimentos pseudo-esotéricos, nas religiões da igreja, nas escolas de ocultismo e teosofia. Ela pode ser preservada em seus escritos, seus rituais, suas tradições, suas hierarquias, seus dogmas e suas regras.

As escolas esotéricas - não mais falo de escolas pseudo-esotéricas - que existem em alguns países do Oriente, são difíceis de encontrar, porque geralmente estão alojadas em mosteiros ou templos. Os mosteiros tibetanos geralmente têm a forma de quatro círculos concêntricos ou quatro pátios separados por paredes. Os templos hindus, especialmente os do sul, são construídos no mesmo plano, mas na forma de quadros contidos, um dentro do outro. Os fiéis têm acesso ao primeiro pátio externo e, por vezes, também excepcionalmente, os adeptos de outras religiões e os europeus.

Apenas algumas castas e alguns privilegiados têm acesso ao segundo pátio. Somente os sacerdotes do templo têm acesso ao terceiro pátio; e no quarto, apenas os sacerdotes e os brâmanes. Organizações similares têm alguns detalhes semelhantes e existem em todos os lugares, e permite que existam escolas esotéricas sem serem reconhecidas. Entre dezenas de mosteiros, não há mais do que uma escola. Mas como vocês podem reconhecê-la? Se entra, não serão admitidos mais que no primeiro pátio; somente os estudantes têm acesso ao segundo. Mas isso vocês não saberão, eles dirão a vocês que eles pertencem a uma casta especial.

Quanto ao terceiro e quarto pátio, você não pode nem mesmo supor a sua existência. Poderá, no princípio, observar uma ordem em todos os templos. Enquanto isso, você não terá chance de distinguir um templo ou mosteiro esotérico de um templo ou mosteiro comum, se não lhe disserem."

"A igreja cristã, a forma cristã de adoração, não foi inventada pelos Padres da Igreja. Tudo foi tirado do Egito, mas não o que conhecemos: tudo foi levado a um Egito que não conhecemos. Apenas pequenos remanescentes sobreviveram aos tempos históricos, mas também foram mantidos em segredo, e hoje não podemos dizer onde.

Isso lhe parecerá estranho se eu disser que o Egito pré-histórico era cristão, muitos milhares de anos antes de Cristo, ou melhor, que a sua religião foi baseada nos mesmos princípios, as mesmas ideias que o verdadeiro cristianismo nasceu."


 Sri Ramakrishna


"Quatro homens cegos se encontram um dia para examinar um elefante. O primeiro toca a perna do animal e diz: "O elefante é como um pilar". O segundo palpa a tromba e diz: "O elefante é como uma maçã". O terceiro cego tenta a barriga e declara: "O elefante é como um grande jarro". Finalmente o quarto faz a orelha do animal se mover e diz por sua vez: "O elefante é como um grande leque". Então eles começam a discutir o assunto.

Alguém que passa, pergunta-lhes o motivo da discussão; eles expõem a situação e o tomam como um árbitro. O homem declara: "Nenhum de vocês viu bem o elefante. Não parece um pilar, mas suas pernas são pilares; ele não é um leque, mas as orelhas sopram; Não parece um jarro, é a sua barriga que parece. Não é uma maçã, é a sua tromba que parece uma maçã. O elefante é uma combinação de tudo isso: pernas, orelhas, tromba e barriga ".

Assim brigam os que não viram mais que algum aspecto do Divindade."

"O sol não pode ser refletido na água suja; da mesma forma, o Conhecimento do Ser não pode ser refletido em nós se o véu da ilusão não for levantado, isto é, na medida em que o "eu" e o "meu" subsistem em nosso coração."


Helena P. Blavatsky


"A sabedoria-religião sempre foi única, e era a última palavra da sabedoria humana, foi cuidadosamente preservada pelos iniciados de todos os países, pelos pesquisadores da verdade profunda, por seus discípulos. Existia antes dos teosofistas da Alexandria; veio para os modernos e deve sobreviver a todas as religiões e todas as filosofias...

Todas as religiões antigas, especialmente as filosofias, incluíam um ensino esotérico ou secreto e um culto público e exotérico. Também é sabido que os mistérios dos antigos foram divididos em dois em cada nação: os grandes (secretos) e os pequenos (públicos), como, por exemplo, os que chamamos de Eleusinos nas festas solenes da Grécia. Depois dos hierofantes da Samotracia e do Egito e os brahmans iniciáticos da antiga Índia, até os rabinos hebreus, todos por medo de profanação, mantiveram em segredo suas reais crenças. Os rabinos judeus chamavam suas séries religiosas seculares de Mercaba (corpo externo), "o veículo", o vestido que contém a alma coberta - quer dizer - seu conhecimento secreto mais profundo.

Os sacerdotes das religiões antigas não comunicaram às massas seus segredos filosóficos; eles não lhes deram mais do que as conchas vazias de seu conhecimento. O budismo do norte tem seu "grande" e seu "pequeno" veículo; Mahayana, o esotérico, e Hinayana, o exotérico. Nós não podemos sancionar essa discrição, porque certamente você não pode alimentar um rebanho de ovelhas com sábias dissertações sobre botânica, em vez de lhes dar a grama. Pitágoras chamou a sua Gnose de "o Conhecimento das coisas que são", "êgnosis ton onton", e ele apenas disse a seus discípulos que era capaz de digerir esse alimento mental e que eles prometeram mantê-lo em segredo. Alfabetos e números secretos escondidos vêm de escrituras hieráticas egípcias, onde os segredos estavam na posse dos hiero-gramatistas ou sacerdotes iniciados... Finalmente, não se encontrou a mesma maneira de proceder no cristianismo primitivo e nos ensinamentos do Cristo? Ele não falou as multidões em parábolas com duplo sentido, onde ele não explicou a verdade, exceto para seus discípulos? "


 O Dalai Lama


"Nossa idade já viu um progresso notável no plano material... Fomos forçados a perceber que esse crescimento material não poderia responder às aspirações da humanidade. Pelo contrário, esse desenvolvimento traz muitas complicações, problemas e desafios a serem superados. É por isso que estou convencido de que as principais tradições religiosas têm a possibilidade de contribuir para o bem-estar da humanidade...

Na medida em que a maioria delas se desenvolveu em diferentes momentos da história da humanidade, acredito que é fundamental estabelecer uma distinção muito clara entre o que eu chamaria de coração e essência do Ensinamento, e os aspectos culturais da tradição das tradições particulares... "


 Samael Aun Weor


“Alguns de nós se preocupam com o estudo das peças arqueológicas; investigamos profundamente muitos códices; analisamos a Sabedoria das civilizações antigas; fizemos estudos comparativos entre o México, o Egito, a Índia, o Tibete, os Gregos, etc., etc.; e pouco a pouco, graças ao conhecimento, digamos, da Sabedoria Antiga, poderíamos decifrar códices e manuscritos antigos...

Nós investigamos nas fontes da China, nas obras em sânscrito da Índia, nos velhos manuscritos tibetanos, etc., etc., etc., e chegamos à conclusão de que a sabedoria universal é sempre a mesma; só muda vários aspectos de acordo com povos, nações e línguas ".

"Sempre pensamos que existe uma religiosidade, digamos-vos, de tipo cósmica, que assume diferentes formas ou figuras de acordo com os tempos e lugares. Em nome da verdade, sempre, pensamos também que as religiões antigas continham dentro de seus versos sagrados, Sabedoria, que atualmente as pessoas desconhecem... Estamos absolutamente confiantes de que entre os versos de "Corão", ou "Bhagavad-Gita" ou o "Chilam Balam" Chumayel, ou dos "Livro dos Mortos" egípcio, etc., se escondem sempre as mesmas verdades cósmicas da Religião Universal, ou cósmica, em geral".

"Sem informação prévia sobre Antropologia Gnóstica seria mais um estudo rigoroso impossível de diversas peças antropológicas das culturas asteca, tolteca, maia, egípcia, etc."

"Os códices mexicanos, papiros egípcios, ladrilhos assírios, pergaminhos estranhos do Mar Morto, assim como certos templos antigos, monólitos sagrados, hieróglifos antigos, pirâmides, tumbas antigas, etc., oferecem em sua profundidade simbólica um sentido gnóstico que escapa definitivamente à interpretação literal e nunca teve um valor explicativo de natureza exclusivamente intelectual.

Racionalismo especulativo, em vez de enriquecer a linguagem gnóstica, infelizmente empobrece já que os relatos gnósticos escritos ou alegorizado em qualquer forma artística, são sempre orientados para o Ser "

"Não é supérfluo neste tratado esclarecer enfaticamente que o gnosticismo é um processo religioso muito íntimo, natural e proeminente.

Esoterismo de fundo autêntico, desdobrando-se de momento a momento com experiências místicas muito específicas, com Doutrina e seus próprios ritos.

Doutrina extraordinária que adota fundamentalmente a forma mítica e, por vezes, mitológica.

Liturgia inefável mágica com uma ilustração vívida para a Consciência Superlativa do Ser.

Inquestionavelmente, o conhecimento gnóstico escapa sempre a análise normal da racionalidade subjetiva. "

"Autoconhecimento, autognosis, implica a aniquilação do Eu como um trabalho prévio, urgente, urgente.

O Eu, o Ego, é constituído por somas e subtrações de elementos subjetivos, inumanos e bestiais que têm um começo e um fim.

A Essência, a Consciência, embutida, engarrafada entre os vários elementos que constituem o mim mesmo, o Ego, infelizmente, se processa dolorosamente em virtude de seu próprio condicionamento.

Dissolvendo o Eu, a Essência, a Consciência, desperta, se ilumina, se libera, então, como consequência ou corolário advém o autoconhecimento, a autognosis ".

"Os princípios básicos da Grande Sabedoria Universal são sempre idênticos. Tanto Buda e Hermes Trismegisto, Quetzalcoatl ou Jesus de Nazaré, o Grande Kabir, etc., entregou uma mensagem. Cada uma contém, em si, Princípios Cósmicos de tipo completamente impessoal e universal.

O Corpo de doutrina que estamos entregando agora, é revolucionário no sentido mais completo da palavra, mas contém os mesmos princípios que Buda ensinara em segredo a seus discípulos, ou aqueles que o Grande Kabir entregou em segredo para os seus. É o mesmo corpo de doutrina..." "A Gnosis é a raiz do cristianismo; chama vivente do Budismo, O Alcorão a fundo, etc., etc., etc."

"A Ciência Secreta dos Sufis e Dervixes está na Gnosis. A doutrina secreta do Budismo e Taoísmo é a Gnosis. A Magia Sagrada dos países nórdicos está na Gnosis. A sabedoria de Hermes, Buda, Confúcio, Maomé e Quetzalcoatl, etc., etc., etc., está na Gnosis. A Doutrina de Cristo é a Gnosis. "

"A Gnosis se encontra em toda a antiga sabedoria."

Informações adicionais

  • Complexidade do Texto: Intermediário
Ler 1592 vezes Última modificação em Quarta, 19 Abril 2023